sábado, março 03, 2012

Quem eu sou? Socorro! Como ser feliz?!





               É hilário como passamos uma vida inteira sem saber exatamente quem somos. Ou pelo menos passamos toda a vida tentando ser quem gostaríamos que os outros gostassem. Incrível como não são necessários anos de terapia, nem  grana de montão para saber o que realmente nos faz felizes. Não precisa de sofrimento, nem das horríveis “experiências que nos fazem crescer”.
                Houve uma época da minha vida em que todo deveria estar no lugar exato, na hora marcada, tudo programado, planejado. Era sinônimo de sucesso ser politicamente correta, ter uma carreira bem sucedida, muitos cartões de crédito e, é claro, ser uma pessoa solitária. Ou pelo menos ter um relacionamento amoroso trágico e infeliz. Afinal aprendemos que não se pode ter tudo. Aprendemos que para ser feliz precisamos ter certo “equilíbrio”, que, aliás, até hoje não faço a mínima ideia de que equilíbrio seja este. Também me disseram certa vez, que precisamos ser fortes diante das adversidades e que o controle emocional é igual a um trem, se o trem descarrila é sempre pode ser fatal.
                Mas chega um momento na vida que você descobre que algumas coisas podem ser diferentes e melhores. Como a Pepsi, que provou que o “pode ser” tem muitas chances de ser mais prazeroso que “o de sempre”. Fico muito feliz em me dar conta, finalmente, (Ufa!) que não é preciso tanto assim, e nem tudo isto para viver.
                As regras que outras pessoas criaram para dirigir minha vida, não serve para o meu modo de viver. Acabei de descobrir que amo a irreverência, adoro a aventura e a paixão tem que fazer parte do meu dia , da mesma forma que minha escova de dentes, ou seja, no mínimo três vezes por dia, sem exceção.
                Já disse muitas vezes “sim” quando desejei ardentemente dizer “não”. E já disse milhões de “nãos”, só para manter um “certo equilíbrio emocional, quando na verdade era quase irresistível dizer “sim”“. Quanto aquelas regras que os outros, (que quase sempre são tão desconhecidos para eles mesmos quanto você é para você), elas dificultam muitíssimo a minha felicidade. No começo, você faz, segue as regras e parece que vai ser fácil. Mas quanto mais o tempo passa aumenta a dificuldade, porque quando você percebe  que a vida ficou pesada, e a sua verdade foi banida, que você agora é um amontoado de opiniões dos outros, visões que os outros consideram padrão, que você age na forma normal (para os outros, é claro), e então quando você se cala para não discutir e simplesmente desiste, a verdade é esmagadora: você não é quem pensa que é!e
                Pode ser que demore muito, uns quarenta ou cinquenta anos. Pode ser que demore a vida inteira.  Mas existe a opção de simplificar e apenas ser você mesmo e ser feliz, simplesmente!

Nenhum comentário: