segunda-feira, setembro 12, 2011

Terminando o Dia

Terminado o dia. Hora de fazer o balanço das nossas atitudes, do nosso comportamento. Comece lembrando como  você acordou. Devagar , sem susto. Ou no pulo, com o coração já acelerado. Qual o primeiro pensamento que você ê teve? Ele foi positivo, ou pensamento que lhe trouxe uma emoção dolorosa? Lembrou do sonho maravilhoso que teve ou ainda está em sobressalto por causa de um pesadelo?
                Então, você encontrou a primeira pessoa. Com foi o Bom dia? Teve um sorriso e um abraço ou foi um Bom dia frio e automático? Durante too o dia você fez centenas de coisas. São  de 40 a 60 mil pensamentos diários. É claro que não acontecem todos de modo consciente , do contrário enlouqueceríamos. Mas acontecem. São decisões e mais decisões.
E como se isto fosse pouco, milhares de emoções. A maioria passa despercebida. Outras  são emoções tão fortes e impactantes que nos tiram do sério: raiva, frustração, sensação de perda, impotência e por aí a fora. Também sentimos emoções agradáveis: alegria, paz, esperança, entusiasmo e tantas outras. Gratidão, eis uma emoção que alivia a alma e aquece o coração. Poucos de nós a sentem todos os dias.
Imagino a vida como uma grande jornada, na qual o destino somos nós quem definimos. Uma jornada cujo objetivo é olhar para dentro de nós mesmos. É saber quem somos sem as máscaras que usamos para a auto defesa, a  auto proteção. Saber o propósito pelo qual respiramos, o motivo pelo qual vivemos.
                E se a vida é uma jornada, nós somos os semeadores. Todos os dias, todos mesmo, lançamos sementes ao longo do nosso caminho. Boas e más sementes. E ao terminar o dia precisamos fazer o balanço: ficamos com saldo positivo ou negativo. O que a vida irá nos devolver, ou seja, que sementes lançamos? Quais consequências e resultados plantaram para o dia de amanhã?
                Às vezes teimamos em viver na ansiedade do futuro, noutras na angústia do passado. E deixamos passar o Hoje, único tempo sob nosso controle. Vivemos esperando, como se houvesse um único meio de sermos felizes. Como se precisasse acontecer alguma coisa para que pudéssemos desfrutar da vida com alegria. E não precisamos absolutamente que nasa aconteça. Precisamos apenas viver, respirar, amar.
                Na jornada na vida há escaladas. Montanhas a serem transpostas. E aí é que o aprendizado nasce e o crescimento faz-se presente em nossa alma. Respire, e depois, só depois decida o que é melhor falar ou fazer.
                Curta a vida. E assista o vídeo. Você vai se emocionar! 








Nenhum comentário: