terça-feira, outubro 27, 2009

Como a PNL pode ajudar o professor


Como a Pnl pode ajudar o professor.


Tratar da educação é assunto complexo e amplo. Os profissionais da atualidade, (e aqui estamos falando de profissionais excelentes, aqueles que estão verdadeiramente comprometidos com a sua missão) estão cada dia mais buscando aperfeiçoar-se. Mas importa ressaltar que o professor não é somente o facilitador, o mediador do aprendizado. Muito mais que isso os verdadeiros profissionais da educação são também psicólogos, terapeutas, argumentadores e vendedores. E você pode perguntar, como assim vendedores? Vendedores de idéias, de sonhos. A boa notícia é que existe uma ferramenta inovadora e extraordinária para ajudar os educadores: a PNL, ou seja, Programação Neurolinguística. De modo simplista esta ciência ensina você a reprogramar seu cérebro, tornando-o mais eficiente, ensinando a controlar emoções, mudando crenças e mais uma infinidade de possibilidades. Não trataremos do que se trata a PNL, mas de como ela pode auxiliar os educadores a ensinar melhor, obtendo resultados surpreendentes.


Um dos pressupostos da PNL é : A comunicação é redundante. Estamos constantemente nos comunicando, e o responsável pela falha na comunicação é sempre quem fala e não quem escuta. Poxa, isto é complicado, hein? Admitir que as pessoas não estão entendendo você e isto é sua responsabilidade: você não está conseguindo passar a sua mensagem! Neste caso, precisamos aprender a nos comunicar melhor. Fico imaginando se os educadores sabem como se processa a comunicação. Vamos mostrar graficamente:




Mais que as palavras que você usa, seus gestos e seu tom de voz são ferramentas indispensáveis para uma comunicação eficaz.
Além disso, precisamos estar cientes de que cada ser humano aprende através de um canal representacional diferente. Imagine um limão fresco. Imagine um agora em sua frente, e sinta como é pegá-lo em sua mão. Pegue uma faca e corte uma fatia e ouça o leve som do suco escorrendo. Cheire o limão, enquanto você leva a fatia até sua boca e dê uma mordida. Sinta o gosto ácido da fruta. Se você na realidade se imaginou fazendo isso, sua boca está agora salivando. Por que ? Porque seu cérebro seguiu suas instruções e pensou, viu, ouviu, sentiu, cheirou e provou o limão. Seu cérebro "tratou" o limão imaginário como se ele fosse real, e preparou a saliva para digeri-lo. Ouvindo, olhando, sentindo, cheirando e provando são as "linguagens" naturais da sua neurologia. Quando você usa estas linguagens, sua neurologia considera o que você está pensando como "real". Sua mente não consegue distinguir o que é real ou é imaginação.
Ainda hoje, infelizmente existem alguns professores que acham que aprender é uma questão de pensar sobre determinado assunto, através de palavras e conceitos. Grande engano, quando alunos aprendem ou estão em processo de aprendizagem eles usam os seus 5 sentidos:
VISUAL-----------------------------------Vendo imagens
CINESTÉSICA ---------------------------Sentindo as emoções
AUDITIVA--------------------------------Ouvindo os sons)
OLFATIVA--------------------------------Cheirando fragrâncias
GUSTATIVA------------------------------Provando os gostos
AUDITIVA-DIGITAL--------------------Pensando em palavras ou conceitos

Os mais usados são os canais visual, auditivo e cinestésico. É obvio que todos nós usamos todos os canais, mas há um predominante. Melhor seria se houvesse um equilíbrio. Então, na sua sala de aula, você alunos com canais de aprendizagem diferentes. Para que todos tenham um bom resultado explores todos os canais. Independente da sua área, prepare aulas com material visual rico, (cartazes, apresentações no Power point, desenhos, figuras, etc), assim sua aula será maravilhosa aos visuais. Mas os auditivos também merecem aprender , então fique atenta ao seu tom de voz, a velocidade da sua fala, a riqueza do seu vocabulário, conte histórias, use músicas e os auditivos ficarão encantados. E os cinestésicos, hein? Para eles, muitas dinâmicas, exercícios, dramatizações etc. Você será sucesso! E suas aulas serão riquíssimas.Alguns poderão dizer: -Caramba, isto dá trabalho! – E é verdade, mas sucesso não acontece por acaso mesmo.
Os seus alunos mais desafiadores, aqueles que parecem ter muita dificuldade, na verdade você não consegue ensiná-los, e não eles que não conseguem aprender. Preste mais atenção neles, descubra seu canal representacional preferido, explore este canal. Perceba o seu aluno, não como mais um aluno, mas com um ser humano único.
Há ainda, como ponto fundamental, considerar que o educador deve ter perfil de líder. O conceito mais completo de líder que conheço é: alguém capaz de inspirar as pessoas a fazer mais por elas mesmas do que elas normalmente fariam sozinhas!
O educador deve fazer com que seus educandos percebam que o seu rendimento escolar, suas notas, seu desempenho não é para o sucesso do seu professor, mas para o sucesso dele mesmo! Então, o professor deve ser um motivador, um vendedor de idéias, um inspirador!
O conceito de professor mudou ao longo dos anos, e hoje usa-se mais a palavra faciltador. E você professor, tem facilitado o aprendizado dos seus alunos?
Ou talvez você não tenha entendido ainda seu verdadeiro compromisso. Tem dado o melhor de si, ou tem feito de acordo com o tamanho do seu salário? Alguns, justificam a mediocridade com desculpas tolas, verdadeiras, mas ainda assim tolas. Esquecem que enganam a si mesmos e sabotam o próprio sucesso e realização! Faça valer a pena, conquiste seus alunos, divirta-os, faça-os ter prazer e alegria, seja um professor extraordinário!

Nenhum comentário: